-  

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA DO VIGILANTE

Dentro das obrigações para regulamentação da profissão do vigilante a avaliação psicológica é um dos requisitos de grande importância e deve ser tratada com a devida seriedade. Deve ser realizada anualmente e seguir as orientações contidas nas resoluções do Conselho Federal de Psicologia e da Policia Federal quanto ao estatuto do desarmamento. São orientações que visam melhorar a qualidade do trabalho dos profissionais da psicologia que atuam nessa área.

Espera-se desses profissionais seriedade e compromisso com os trabalhadores, empresários e com a população em geral, proporcionando fortalecimento da categoria e tranqüilidade para os tomadores de serviços que poderão contar com vigilantes bem avaliados psicologicamente. Uma avaliação bem feita melhora o perfil da categoria de modo a valorizar a profissão.

É importante lembrar que o trabalho do vigilante é um serviço especializado calcado na confiança e na segurança do agente. Certamente que com as mudanças do mercado, cada vez mais exigente devido ao aumento da violência, e uma melhoria na qualidade do serviço esses trabalhadores poderão almejar melhores salários, aumentando também o lucro dos empresários do setor. Devido ao grande número de profissionais atuando no país, superior aos profissionais da policia civil, federal e militar juntos, hoje os vigilantes passaram a ser referência de segurança para a sociedade.

Por isso, a avaliação psicológica deve contar com uma bateria de instrumentos que afiram personalidade, nível intelectual, condição emocional, habilidades sociais, tudo conforme resolução do CFP. A bateria listada na portaria 3435/85 do Ministério do Trabalho deve ser alterada no sentido de substituir - e não suprimir - os instrumentos não validados pelo CFP por outros de igual valor. Não é confiável nem recomendável a utilização de bateria reduzida - apenas um ou dois instrumentos (testes) - para uma avaliação psicológica que dará direito a um cidadão de portar arma de fogo, podendo comprometer a segurança social. Adotando uma bateria reduzida o psicólogo(a) corre o risco de aprovar alguém que não apresente condições de ser vigilante ou, ao contrário, reprovar injustamente um candidato, cometendo assim uma falta ética.

Por sua vez, os vigilantes que anualmente são submetidos à avaliação psicológica devem ter consciência de que ela é uma exigência legal para o exercício da profissão, devendo fazê-la com boa vontade e respeito, pois o resultado indicará se o profissional pode ou não continuar exercendo suas atividades.

Dicas para realizar uma boa avaliação:

- Compareça ao local do exame dez minutos antes do horário marcado.

- Durma bem na noite anterior ao exame.

- Não faça uso de bebida alcoólica pelo menos vinte e quatro horas antes da avaliação

- Alimente-se bem e compareça com tempo disponível, pois a média de tempo gasto em uma avaliação completa é de aproximadamente quatro horas.

Carlos Luiz Souza
Diretor - Sercon
Psicólogo/ Especializado em Higiene Ocupacional

Fonte: Informativo do Sindicato dos Vigilantes do Estado de Minas Gerais – ano 04 – julho de 2006

 

:. Outras Matérias Cadastradas no Site

25/03/2014 - Projeto eSocial

01/04/2011 - SERCON FESTEJA 21 ANOS DE EXISTÊNCIA

25/05/2010 - Calendário de Eventos

18/03/2010 - Calendário de Eventos

19/10/2009 - Previdência e Fazenda divulgam índices do FAP

26/06/2007 - NOVAS REGRAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL / DECRETO 6042

12/01/2007 - VIGILANTES - GRANDE CONQUISTA DOS TRABALHADORES

28/08/2006 - TREINAMENTO USO DE EPI

25/08/2006 - COLETE A PROVA DE BALAS